AQUÁRIO – Aquários domésticos – Aquários de exposição – Biologia, ZOOLOGIA, Trabalho Escolar.

AQUÁRIO

O cuidado e a observação de peixes e outros seres aquáticos, mantidos em ambientes artificiais, constitui tanto uma disciplina científica como um entretenimento dos que mais se desenvolveram desde o começo do século XX. Essa atividade, muito popular em numerosos países, constitui a base de uma verdadeira indústria, tanto no que se refere à elaboração de alimentos para peixes e fabrico dos componentes de aquário, como no que diz respeito ao intercâmbio comercial e à produção de numerosas espécies da fauna ictiológica.
No terreno científico, graças à construção de modernas e complexas instalações em que os animais aquáticos são mantidos em cativeiro e se vêem submetidos à observação e provas de laboratório, puderam-se estudar espécies tão interessantes como o golfinho, a orca, as moréias ou os polvos, ao mesmo tempo em que se obteve valiosa informação sobre sua biologia e seu comportamento.

Aquários domésticos. Um aquário é um recipiente de dimensões variáveis, provido dos componentes adequados para a criação e sustento de peixes, algas, outros animais e plantas aquáticas. De um modo geral, utilizam-se recipientes com paredes de vidro, que costumam ser dotados de uma armação metálica (de alumínio, aço inoxidável etc.) cujas extremidades se fixam com silicone, para obter-se sua impermeabilização. Utilizam-se ocasionalmente outros materiais, como as diversas modalidades de plástico transparente.
São fatores essenciais a forma e as dimensões do aquário. O modelo mais difundido é o retangular e as medidas costumam variar segundo as disponibilidades de espaço, das espécies que se deseja criar, do número de indivíduos etc. Outros condicionamentos que se devem levar em conta são a luz que o aquário recebe, a temperatura da água, seu conteúdo em gases e matéria orgânica dissolvida.
Proporciona-se a luz por meio de tubos fluorescentes instalados na parte superior. A temperatura, ainda que variável, situa-se em valores da ordem dos 20 a 25 C. As características da água dependem de sua procedência e têm relação, antes de tudo, com seu grau de dureza, isto é, com sua concentração de sais minerais, com a acidez e diversos elementos que podem ser dissolvidos nela, como metais pesados, cloro ou iodo. A maioria dos peixes criados em aquário requerem águas moles, de conteúdo escasso em sais. Um sistema muito empregado para baixar a dureza é o constituído pelos permutadores iônicos, substâncias resinosas que permitem a substituição dos componentes nocivos por outros inativos.
Em relação aos gases dissolvidos, a quantidade de oxigênio deve ser suficiente para permitir a respiração dos peixes, razão por que é preciso proporcionar o arejamento adequado. Também deve haver dióxido de carbono, para que as plantas desenvolvam o processo de fotossíntese. Com o propósito de manter um bom funcionamento, um aquário precisa de diversos aparelhos, como aquecedores providos de termostato, para manter a temperatura adequada, lâmpadas que produzam uma luz de cor e intensidade apropriadas, filtros (argilas, areias, fibras especiais, carvão ativado etc.) para depurar a água, arejadores, termômetros, pequenas redes, dosadores de alimento e outros utensílios.
Além de tudo isso, é recomendável introduzir no aquário diversas plantas aquáticas (tais como sagitárias, valisnérias ou fetos), que oxigenam a água e provêem de alimentos os peixes herbívoros. Também se tornam úteis os caracóis, que se alimentam de detritos e fazem desaparecer as partículas residuais.
A nutrição dos peixes de aquário é feita com alimentos secos artificiais, enriquecidos com sais minerais e vitaminas ou mesmo presas vivas, como larvas de mosquito ou vermes tubífices. A limpeza do aquário e a renovação da água devem efetuar-se periodicamente.

Aquários de exposição. O desenvolvimento e a popularização dos aquários, bem como o incremento do interesse científico por eles, estimularam a criação de centros em que, atrás de grandes vitrinas, expõe-se grande variedade de espécies animais e vegetais do meio fluvial ou marítimo. Esses aquários de exposição __ o primeiro deles inaugurado no Regent”s Park de Londres em 1853 __ costumam estar estreitamente vinculados aos institutos oceanográficos e aos centros de pesquisa que se interessam pelo habitat e pela biologia dos peixes e das plantas aquáticas. Alguns dos mais afamados aquários e oceanários, isto é, espaços em que se reproduzem as condições de vida de alto-mar, são o do Museu Oceanográfico de Mônaco, o de Nápoles, na Itália, e o de Plymouth, na Inglaterra. Nos Estados Unidos destacam-se o Steinhart, de San Francisco, o John G. Shedd, de Chicago, e o Marineland, da Flórida

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s