ORNITOLOGIA – Biologia, ZOOLOGIA, Trabalho Escolar.

ORNITOLOGIA

A ornitologia é uma das poucas ciências beneficiadas por importantes contribuições de amadores. E embora muitas informações provenham de observação direta, algumas áreas da ornitologia tiram proveito de técnicas e instrumentos modernos como anilhamento de aves, radar e radiotelemetria.
Ornitologia é o ramo da zoologia que estuda as aves, a partir quer de sua distribuição na superfície do globo, das condições e peculiaridades de seu meio,  costumes e modo de vida, quer de sua organização e dos caracteres que as distinguem umas das outras, para classificá-las em espécies, gêneros e famílias.
No Ocidente, Aristóteles foi um dos primeiros a escrever sobre as aves em sua obra Sobre a história dos animais, continuada em Roma, mais de três séculos depois, por Plínio o Velho. Várias obras da Idade Média e do início da era moderna registram observações pessoais relevantes, como A arte de caçar com aves, escrita pelo imperador alemão Frederico II no século XIII, ou a Histoire de la nature des oiseaux (1555; História da natureza das aves), do naturalista francês Pierre Belon. O marco inicial do estudo científico das aves é o trabalho do naturalista inglês Francis Willughby, continuado por seu colega John Ray, que publicou The Ornithology of F. Willughby (1678; A ornitologia de F. Willughby), em que aparece a primeira tentativa metódica de classificação das aves, baseada essencialmente nos caracteres de forma e de função.
Aplicaram-se à ornitologia, como aos demais ramos das ciências naturais, os métodos do naturalista sueco Lineu, cuja classificação sistemática, ou taxionomia, foi adotada como ponto de partida para todas as questões relativas à nomenclatura binária das espécies do mundo vivo, seguida com absoluta consistência pelos ornitólogos.
Em conseqüência dos grandes descobrimentos marítimos do século XVI, um número crescente de aves inteiramente desconhecidas pelos europeus ficou sem classificação, o que se tornou um problema para a ornitologia. Os pesquisadores passaram a estudá-las por meio de exemplares conservados em seus gabinetes, origem dos primeiros museus. Entre essas coleções particulares figurava a do físico francês René de Réaumur, a quem se deve a técnica de conservação dos exemplares a seco (taxidermia), em que se baseiam os estudos taxionômicos.
No século XIX os especialistas concentraram-se na anatomia interna, por sua aplicação à taxionomia. No decorrer do século XX, o estudo anatômico cedeu lugar ao crescente interesse por critérios ecológicos e etológicos.
Ornitologia no Brasil. Entre as referências mais antigas feitas à avifauna brasileira destacam-se as que se encontram no livro do arcabuzeiro alemão Hans Staden, que caiu prisioneiro dos índios por volta de 1553. A essa fonte somam-se as informações esparsas nas obras de dois franceses, o franciscano André Thevet e o calvinista Jean de Léry, bem como nas de outros religiosos e viajantes. O estudo das aves indígenas figura como um dos capítulos mais importantes da Historia naturalis Brasiliae (1648), do naturalista holandês Georg Marcgrave.
Valiosos dados, cujo interesse se mantém até hoje, foram coletados no período colonial pela “viagem filosófica” de Alexandre Rodrigues Ferreira à região amazônica, patrocinada pela coroa portuguesa no final do século XVIII. Todas as muitas expedições científicas ao Brasil durante o século seguinte, como a de Georg Heinrich von Langsdorff, a do príncipe Maximilian von Wied-Neuwied e a de Hermann Burmeister, deixaram registros ornitológicos de variada importância. A obra de Burmeister se notabilizou por haver tentado uma descrição geral das aves do país, embora muito limitada a regiões de Minas Gerais. Materiais obtidos pelo colecionador alemão Johann Centurius von Hoffmannsegg e incorporados ao Museu de Berlim permitiram que Johann Karl Wilhelm Illiger, Martin Heinrich Lichtenstein e outros descrevessem espécies até então ignoradas na Europa.
O francês Pierre-Antoine Delalande colecionou extraordinário número de espécies novas, de ocorrência no Rio de Janeiro, descritas por seu compatriota Louis Vieillot. Outro francês, Edouard Ménétriès, que viajara por Minas Gerais em companhia de Langsdorff, reuniu material que mais tarde estudou no Museu de São Petersburgo. Entre os ornitologistas ingleses no Brasil o principal foi William Swainson, que descreveu e desenhou primorosamente as aves nordestinas. Foram também muito úteis aos estudos ornitológicos brasileiros as viagens de Alfred Russel Wallace e de outros à Amazônia, assim como o Catalogue of the Birds in the British Museum (1874-1875; Catálogo de aves do Museu Britânico), que marcou época e até hoje constitui obra indispensável aos estudiosos. O dinamarquês Johannes Theodor Reinhardt ocupou-se das aves coletadas por Peter Wilhelm Lund em sua jornada pelas regiões campestres de Minas Gerais e estados vizinhos. A expedição americana de 1865, chefiada por Louis Agassiz, assinalou o começo de um ciclo de visitas ao Brasil de naturalistas-colecionadores dos Estados Unidos.
Dentre os principais estudos da ornitologia brasileira destacam-se os trabalhos realizados no Museu Nacional, no Rio de Janeiro; no Museu Emílio Goeldi, em Belém do Pará; e no Museu Paulista, que em 1907 publicou um Catálogo das aves do Brasil, seguido por edições ampliadas. Outras obras fundamentais de referência são As aves do Brasil (1894-1900), de Emílio Goeldi, e Catálogo das aves amazônicas (1914), de Emilie Snethlage.
Olivério de Oliveira Pinto divulgou, entre 1938 e 1978, uma série de trabalhos sistemáticos sobre a ornitologia brasileira. Seu Catálogo das aves do Brasil e lista dos exemplares na coleção do Departamento de Zoologia de São Paulo (1944) foi progressivamente aumentado e transformou-se na Ornitologia brasiliense; catálogo descritivo e ilustrado das aves do Brasil.
A obra Ornitologia brasileira (1984), de Heinrich Helmut Sick, expandiu os trabalhos anteriores e elevou para 1.590 — e depois, em 1986, para 1.607 — o número de espécies descritas no país. Essa obra, que dedica a cada espécie uma descrição detalhada e muitas estampas de identificação, atualizou a sistemática e tornou-se fonte essencial pelas observações de campo coletadas, em muitos anos de pesquisa sobre nidificação, reprodução, alimentação, migrações e, sobretudo, vocalização das espécies. Augusto Ruschi conquistou renome internacional ao especializar-se no estudo dos beija-flores, à frente do Museu de Biologia Professor Melo Leitão, em Santa Teresa ES.
No campo da divulgação, são ainda importantes os livros de Eurico Santos, como Da ema ao beija-flor (1938) e Pássaros do Brasil (1940), e o Dicionário dos animais do Brasil (1940) de Rodolfo von Ihering. O dinamarquês Svend Frisch desenhou pássaros brasileiros. Seu filho, o brasileiro Johan Dalgas Frisch, engenheiro dedicado à ornitologia, gravou cantos de dezenas de aves brasileiras, entre elas uirapuru, sabiá, bem-te-vi e tico-tico, e publicou Aves brasileiras (1981).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s